Leave a comment

 

Publicado julho 27, 2011 por carlosbenalves em Uncategorized

“Vela ao Crucificado” concorre ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro   Leave a comment

O Maranhão está representado no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. A produção “Vela ao Crucificado” da Lume Filmes, dirigido por Frederico Machado, foi indicado pela comissão da Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas – ABD Nacional, para a categoria curta-metragem de Ficção.

Baseado no conto do escritor maranhense Ubiratan Teixeira, o filme confirmou o potencial com premiações em diversos festivais pelo Brasil e em outros países.

Rodado no município de Paço do Lumiar e em parceria com a Plural Filmes (SC), o filme concorre com outras duas produções nordestinas. O filme “Céu Limpo”, dos cearenses Marcley de Aquino e Durte Dias; e a produção pernambucana “Recife Frio”, dirigido por Kléber Mendonça.

 

Publicado dezembro 17, 2010 por carlosbenalves em Uncategorized

5ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos – São Luís/MA   Leave a comment

Redação: Blog da ABD Maranhão

Em São Luís, com a produção do cineasta e professor Francisco Colombo, a 5ª Mostra de Cinema e Direitos Humanos será realizada no Cine Praia Grande e apresentará atrações inéditas nos quesitos exibição e participação do público.

Esse ano a mostra chega a 20 capitais, sendo a única no país que alcança todas as regiões.

O evento será realizado entre 29 de novembro e 05 de dezembro, no Cine Praia Grande As sessões serão no período vespertino e noturno, com entrada franca.

Vale destacar que todos os filmes são legendados (e portanto voltados para o público com deficiência auditiva) e teremos ainda duas sessões com audiodescrição (uma aberta e outra fechada) para pessoas com deficiência visual.

Os filmes, diferentemente do que alguns possam imaginar, não possuem caráter panfletário, tendo sido escolhidos para integrar a mostra sobretudo pelo valor artístico.

Onde: Cine Praia Grande / Centro de Criatividade Odilo Costa Filho – Rampa do Comércio, 200 – Praia Grande (capacidade 111 Lugares).
Telefone:  (98) 3218-9934
Quando: de 29 de novembro até 05 de dezembro de 2010.
Sessões: vespertinas e noturnas.
São Luís – MA.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO:

ENTRADA FRANCA

29/11 – SEGUNDA-FEIRA

19h30 – Sessão de Abertura

VIDAS DESLOCADAS
João Marcelo Gomes
(Brasil, 13 min, 2009, doc)

PERDÃO, MISTER FIEL
Jorge Oliveira
(Brasil, 95 min, 2009, doc)
Classificação indicativa: 14 anos

30/11 – TERÇA-FEIRA

13h30 – A VERDADE SOTERRADA
Miguel Vassy
(Uruguai/ Brasil, 56 min, 2009, doc)

ROSITA NÃO SE DESLOCA
Alessandro Acito, Leonardo Valderrama
(Colômbia/ Itália, 52 min, 2009, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

15h30 – ENSAIO DE CINEMA
Allan Ribeiro
(Brasil, 15 min, 2009, fic)

108
Renate Costa
(Paraguai/ Espanha, 91 min, 2010, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

17h30 – A BATALHA DO CHILE II –
O GOLPE DE ESTADO
Patricio Guzmán
(Chile/ Cuba/ Venezuela/
França, 90 min, 1975, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

19h30 – ABUTRES
Pablo Trapero
(Argentina/ Chile/ França/
Coréia do Sul, 107 min, 2010, fic)
Classificação indicativa: 16 anos

03/12 – SEXTA-FEIRA

13h30 – DOIS MUNDOS
Thereza Jessouroun
(Brasil, 15 min, 2009, doc)

AMÉRICA TEM ALMA
Carlos Azpurua
(Bolívia/ Venezuela, 70 min, 2009, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

15h30 – VLADO, 30 ANOS DEPOIS
João Batista de Andrade
(Brasil, 85 min, 2005, doc)
Classificação indicativa: 14 anos

17h30 – A HISTÓRIA OFICIAL
Luis Puenzo
(Argentina, 114 min, 1985, fic)
Classificação indicativa: 12 anos

19h30 – XXY

Lúcia Puenzo
(Argentina/ França/
Espanha, 86 min, 2006, fic)
Classificação indicativa: 16 anos

01/12 – QUARTA-FEIRA

13h30 – Audiodescrição

AVÓS
Michael Wahrmann
(Brasil, 12 min, 2009, fic)

ALOHA
Paula Luana Maia, Nildo Ferreira
(Brasil, 15 min, 2010, doc)

CARRETO
Marília Hughes, Claudio Marques
(Brasil, 12 min, 2009, fic)

EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO
Daniel Ribeiro
(Brasil, 17 min, 2010, fic)
* Sessão com audiodescrição para
público com deficiência visual.
Classificação indicativa: 12 anos

15h30 – HÉRCULES 56
Silvio Da-Rin
(Brasil, 94 min, 2006, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

17h30 – DIAS DE GREVE
Adirley Queirós
(Brasil, 24 min, 2009, doc)

PARAÍSO
Héctor Gálvez
(Peru/ Alemanha/
Espanha, 91 min, 2009, fic)
Classificação indicativa: 12 anos

19h30 – CARNAVAL DOS DEUSES
Tata Amaral
(Brasil, 9 min, 2010, fic)

MEU COMPANHEIRO
Juan Darío Almagro
(Argentina, 25 min, 2010, doc)

LEITE E FERRO
Claudia Priscilla
(Brasil, 72 min, 2010, doc)
Classificação indicativa: 16 anos

04/12 – SÁBADO

13h30 – MÃOS DE OUTUBRO
Vitor Souza Lima
(Brasil, 20 min, 2009, doc)

JURUNA, O ESPÍRITO DA FLORESTA
Armando Lacerda
(Brasil, 86 min, 2009, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

15h30 – HALO
Martín Klein
(Uruguai, 4 min, 2009, fic)

ANDRÉS NÃO QUER DORMIR A SESTA
Daniel Bustamante
(Argentina, 108 min, 2009, fic)
Classificação indicativa: 12 anos

17h30 – MARIBEL
Yerko Ravlic
(Chile, 18 min, 2009, fic)

O QUARTO DE LEO
Enrique Buchichio
(Uruguai/ Argentina, 95 min, 2009, fic)
Classificação indicativa: 14 anos

19h30 – O FILHO DA NOIVA
Juan José Campanella
(Argentina/ Espanha, 124 min, 2001, fic)
Classificação indicativa: livre

02/12 – QUINTA-FEIRA

13h30 – Audiodescrição
PRA FRENTE BRASIL
Roberto Farias
(Brasil, 105 min, 1982, fic)
* Sessão com audiodescrição para
público com deficiência visual.
Classificação indicativa: 14 anos

15h30 – A CASA DOS MORTOS
Debora Diniz
(Brasil, 24 min, 2009, doc)
CLAUDIA
Marcel Gonnet Wainmayer
(Argentina, 76 min, 2010, doc)
Classificação indicativa: 14 anos

17h30 – ALOHA
Paula Luana Maia, Nildo Ferreira
(Brasil, 15 min, 2010, doc)

AVÓS
Michael Wahrmann
(Brasil, 12 min, 2009, fic)

CINEMA DE GUERRILHA
Evaldo Mocarzel
(Brasil, 72 min, 2010, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

19h30 – KAMCHATKA
Marcelo Piñeyro
(Argentina/ Espanha/
Itália, 103 min, 2002, fic)
Classificação indicativa: livre

05/12 – DOMINGO

13h30 – GROELÂNDIA
Rafael Figueiredo
(Brasil, 17 min, 2009, fic)

MUNDO ALAS
León Gieco, Fernando Molnar,
Sebastián Schindel
(Argentina, 89 min, 2009, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

15h30 – CARRETO
Marília Hughes, Claudio Marques
(Brasil, 12 min, 2009, fic)

BAILÃO
Marcelo Caetano
(Brasil, 17 min, 2009, doc)

DEFENSA 1464
David Rubio
(Equador/ Argentina,
68 min, 2010, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

17h30 – O ANO EM QUE MEUS PAIS
SAÍRAM DE FÉRIAS
Cao Hamburger
(Brasil, 110 min, 2006, fic)
Classificação indicativa: 10 anos

19h30 – EU NÃO QUERO VOLTAR SOZINHO
Daniel Ribeiro
(Brasil, 17 min, 2010, fic)

IMAGEM FINAL
Andrés Habegger
(Argentina, 94 min, 2008, doc)
Classificação indicativa: 12 anos

http://www.cinedireitoshumanos.org.br
* O formato de exibição dos filmes é DVCAM.

Publicado novembro 16, 2010 por carlosbenalves em Uncategorized

Cáritas celebra 54 anos no 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca   Leave a comment

Festival tem início hoje (10) e vai até dia 12 (sexta-feira), data em que a Cáritas Brasileira completa 54 anos de atuação no País.

A Rede Mandioca atualmente articula mais de 70 grupos, comunidades e associações de produtores, fazendo-se presente em cerca de 35 municípios, em todas as regiões do Maranhão. Entre as premissas de sua Carta de Princípios, documento discutido e aprovado em plenárias estaduais, está a valorização da cultura da mandioca, elemento bastante importante na mesa do maranhense.

A Rede Mandioca e a Cáritas Brasileira Regional Maranhão realizam, entre hoje (10) e sexta-feira (12), em São Luís, o 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca. O evento integra a programação da Semana Nacional da Solidariedade, que celebra em todo o Brasil, os 54 anos de atuação da Cáritas no país. O organismo da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil integra a rede Caritas Internationalis, presente em cerca de 200 países.

O Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho e a Praça Valdelino Cécio, ambos na Praia Grande, abrigarão as atividades ao longo dos três dias de festival: atividades de formação (debates, seminários, palestras), feira (comercialização da produção de grupos e associações filiadas à Rede Mandioca) e atividades culturais (shows musicais) compõem a programação.

Armando a Rede – A Rede Mandioca surgiu em 2004, inspirada em outras experiências bem sucedidas de articulação em rede, pautadas nos princípios da economia popular solidária. Sua área de atuação é o estado do Maranhão, embora vez por outra, dialogue com experiências em outros estados. A Cáritas Brasileira Regional Maranhão responde pela assessoria técnica à articulação.

Foi durante um encontro de planejamento da Cáritas, aliás, que surgiu a ideia de articular em rede, produtores, não só de mandioca: a Rede Mandioca congrega também artesãos, criadores de pequenos animais, extrativistas e agricultores, entre outros. O 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca terá representantes de todas as regiões do Maranhão. Veja a seguir sua programação completa.

Programação

Dia 10 (quarta-feira): 16h: Abertura oficial do 1º. Festival Estadual da Rede Mandioca > Lançamento da nova logomarca da Rede Mandioca > Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show de Chico Nô (Praça Valdelino Cécio).

Dia 11 (quinta-feira): Seminário Estadual sobre Produção, Beneficiamento, Comercialização e Consumo Ético Solidário (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho). 9h: Mesa: Produção e beneficiamento da produção agroecológica (Rede de Agroecologia do Maranhão/RAMA, Associação em Áreas de Assentamento no Estado do Maranhão/ASSEMA, Associação dos Trabalhadores(as) Rurais da Comunidade de Cantos dos Bois/Vargem Grande/MA) > 10h30min: Mesa: Fundos Rotativos (Clarício dos Santos Filho/BNB/ETENE) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > 19h: Show: Forró Pé no Chão de Seu Raimundinho (Praça Valdelino Cécio).

Dia 12 (sexta-feira): 10h30min: Mesa: Comercialização e Consumo Ético Solidário (Instituto Marista de Solidariedade/IMS, Companhia Nacional de Abastecimento/Conab, Cooperativas dos Trabalhadores Agroextrativistas de Vargem Grande/Coopervag, FNDE/PNAE) (Auditório Rosa Mochel, Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho) > 15h: Feira (Praça Valdelino Cécio) > Show: Cesar Teixeira (Praça Valdelino Cécio).

 

Links originais: http://ponteaereasl.wordpress.com/2010/11/09/%ef%bb%bf%ef%bb%bf%ef%bb%bfcaritas-celebra-54-anos-no-1%c2%ba-festival-estadual-da-rede-mandioca/

Publicado novembro 9, 2010 por carlosbenalves em Uncategorized

Pesquisadores maranhenses lançam o livro “A Imagem na Idade Mídia”   Leave a comment

O Centro Cultural Odylo Costa Filho abre suas portas nesta quarta-feira, 10 de novembro, para o lançamento do livro  “A Imagem na Idade Mídia: mediações na imagem e o popular contemporâneo” que reúne uma série de artigos sob a organização do músico, fotógrafo e professor  Marcus Ramúsyo de Almeida Brasil.

Trata-se de uma compilação de artigos em que se destaca o enfoque multidisciplinar sobre o tema da imagem. Os autores que compõem a coleção de artigos provem de áreas de atuação diferenciadas, o que proporciona ao livro uma abertura no campo de interesse da imagem. Estão presentes temáticas que abrangem desde a área da política, do design e do jornalismo , até as áreas das artes plásticas, do turismo e da religião – o ponto de coincidência entre todas as abordagens está na centralidade do estudo da imagem e sua importância na sociedade atual. O livro é resultado de edital lançado pela FAPEMA (Fundação de Amparo à Pesquisa do Maranhão) no ano de 2009.

O compêndio é composto pelos seguintes artigos e respectivos autores: “‘Viva Oxalá’ e as bordas: uma experiência periférica na estética televisiva”, de Marcus Ramúsyo de Almeida Brasil; “O designer e a produção de sentido na construção de iconografias”, de Raquel Gomes Noronha, professora do curso de Design da UFMA, responsável pelo projeto gráfico do livro; “Funções da foto nas páginas de jornal: discursividade e auto-referencialidade da imagem fotográfica”, da fotógrafa, jornalista e pesquisadora Carolina Libério; “O Manto da Apresentação de Bispo do Rosário: uma poética em processo”, de autoria do artista plástico e professor José Almir Costa Valente Filho; “A ocupação dos vazios urbanos pelos grafitis no Centro Histórico de São Luís”, do jornalista, fotógrafo, músico e pesquisador Bruno Soares Ferreira; e “Patrimônio Cultural: a estetização da mercadoria no campo midiático”, de autoria da doutoranda em políticas públicas, Geórgia Patrícia da Silva

O lançamento – Uma das ideias centrais durante o lançamento do livro será a da articulação entre o conteúdo teórico presente nos artigos e as demais atividades artísticas e culturais desenvolvidas pelos autores. A apresentação de fotografias, a execução ao vivo de uma pintura e o diálogo desta expressão com a música ilustram a transversalidade das práticas dos autores e o diálogo possível nos mais diferentes níveis de expressão – da  escrita ao fazer artístico.

Durante o lançamento que inicia às 18h, o artista plástico Almir Valente fará uma performance artística, pintando um quadro ao vivo. A performance será acompanhada por pocket show da banda Coletivo Gororoba. Também será realizada uma exposição fotográfica composta por imagens realizadas por autores do livro e Eduardo Cordeiro.

Publicado novembro 8, 2010 por carlosbenalves em Uncategorized

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA OFICINA DE AZULEJOS DE PAPEL NO CAJ   Leave a comment

O Centro de Artes Japiaçu (CAJ), equipamento cultural da Fundação Municipal de Cultura (Func), abre inscrições até a próxima segunda-feira, 08 de novembro, para Oficina de Azulejos de Papel.

Os treinamentos, que serão ministrados pela artista plástica Babula, acontecerão no período de 08 a 12 de novembro, das 14h às 17h. A inscrição é gratuita e poderá ser feita na sede do CAJ (Travessa do Dirceu, nº 35, no bairro do Diamante) ou pelos telefones: 3212-8297 ou 3221-8215.

Babula é o nome artístico de Rosana Carvalhal Martins, artista plástica e produtora cultural há mais de 15 anos. Inspirada nas fachadas azulejadas dos casarões do Centro histórico de São Luís, a artista confecciona azulejos coloniais em alto relevo utilizando a técnica de reciclagem de papel.

Para Babula, “é uma forma de homenagear o cenário histórico-arquitetônico de São Luís, Patrimônio da Humanidade, que ainda vive sob a ameaça do descaso e da depredação, principalmente de seus conjuntos azulejares do século XIX”, explica.

O CAJ – O Centro de Artes Japiaçu tem por objetivo capacitar a comunidade, oferecendo cursos, oficinas, treinamentos, realização de feiras, rodas de negócios, exposições, implementações de escolas especiais. Embora a história documentada do Caj tenha se perdido, sabe-se que foi fundado em 1972, pela professora Rosa Mochel. Hoje compõe um dos órgãos que integram a Fundação Municipal de Cultura (Func).

Publicado novembro 5, 2010 por carlosbenalves em Uncategorized

A fila anda?!?   3 comments

Eu sei! O tema já é bem recorrente. Várias pessoas em vários lugares do mundo já devem ter escrito alguma coisa sobre as filas. Mas como o tema é sempre recorrente, resolvi entrar nessa fila também (sem deixar de usar esse trocadilho infâme, claro).

Mas o que me trouxe a esse texto foram algumas experiências e observações bem recentes que me fazem acreditar que a fila é uma das instituições sociais mais desvalorizadas dos últimos tempos.

Não há mais respeito algum por essa velha forma de organização. Friso: DE ORGANIZAÇÃO. Pois a fila serve para ordenar um conjunto de elementos de modo que o primeiro tem preferência em relação ao segundo e assim sucessivamente. Ou traduzindo: “Quem vai chegando vai ficando atrás, criança educada é assim que faz” – como bem definia a cantiga ensinada no jardim de infância.

Só que as crianças cresceram e, definitivamente, esqueceram a canção. Talvez nem tenham chegado a escutá-la, o que é ainda mais preocupante, pois significa que esses valores estão omissos.

Pobre fila.

Vejam os (mau) exemplos dos Terminais de Integração. O que era pra ser “guia” de fila, virou sucata; as pessoas já não fazem mais aquela tradicional “serpente” enquanto esperam o coletivo. A fila deu lugar a um aglomerado insano de pessoas sem a menor noção sobre as leis da física, querendo ocupar um só lugar ao mesmo tempo.

Chega o ônibus. A situação só piora. Corpos querendo sair, muito mais corpos querendo entrar. E quando um corpo está em movimento tende a permanecer em movimento até encontrar uma força contrária… deu-se a desgraça.

Confusão. Tumulto. Xingamentos. Empurra daqui, empurra dalí, acelera o motor, alguns ainda estão pendurados na porta… um absurdo.

Se houvesse respeito com a fila, nada disso seria necessário.

Acontece que “furar a fila” é sinônimo de esperteza. Como se subtrair o direito do outro que chegou primeiro fosse virtude para alguém. Mas é nessa inversão de valores que se dá a dinâmica da fila atual. Um verdadeiro simulacro do que já foi essa relevante organização de diretos.

A ansiedade pode ser usada como justificativa, mas não como pretexto. É preciso saber esperar. Garantir ao outro o seu direito para poder exigir o seu.

Sei que nesse caso dos terminais uma fila de argumentos poderiam ser criadas com as justificativas dos furões. Mas não passam de desculpas.

A fila está sumindo e dando lugar ao tumulto. Da mesma maneira que os valores desaparecem e deixam… saudades.

Publicado outubro 28, 2010 por carlosbenalves em Uncategorized